segunda-feira, maio 7

Avelha

Antes de eu existir a minha Mãe era uma miúda lindíssima que com o “Êxodo Rural” trocou as praias viradas para Africa por uma janela com vista para o Mar da Palha.
A fome deu a coragem da saudade às nossas gentes que qual tsunami povoaram Lisboa.

Esta loira de olhos azuis nem presa foi, foi uma dádiva na estrada de um Negro com pinta e bem-falante que a amou até terminar os seus estudos Universitários, e foi à sua vida com um canudo chulado, deixando para trás uma mulher lindíssima com uma criança mulata nos braços em dias de Guerra Ultramarina. Péssimos dias para se ter uma criança mulata nos braços.

A criança foi tão cruel como o Negro, um estigma que não a abandonou tão cedo como o Negro. Mas ela, a Mãe, amou esta criança mais que a si própria. Por ela voltou a passar fome, por ela voltou a casar, por ela continuou a passar fome, por ela perdeu a vida, mas na sua capacidade limitada de discernir realidades presumo que esteja convicta que se limitou a cumprir a sua Missão.

Esta criança com pinta e bem-falante, é o mais mimado dos filhos. Por ela asfixiado em atenções, por ela vigiado em todos os olhos de todos os lugares em que me sento.

Agora, recentemente viúva, loira de olhos azuis mas feia, está a preparar o futuro da minha filha pós sua morte, mas FINALMENTE partilha mais esta tarefa com a procura da SUA felicidade.
Talvez demasiado tarde mas é possível que a minha Mãe tenha percebido a razão da minha distância.

Como é possível que esta loira de olhos azuis que podia e devia ter tido o Mundo, do Mundo tenha abdicado por uma besta tão explícita como eu?
Não te amo velha, (ou talvez ame sem coragem para o admitir) mas tenho por ti um enorme respeito, meio paternalista meio hipócrita, tenho por ti algo que AGORA gosto bastante de sentir.

Obrigada

Abraço Mãe



28 comentários:

S.M.R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
S.M.R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fuinha disse...

Lindo demais o que escreveste que nem me atrevo a comentar. Tudo o que possa dizer será pouco comparado com o que disseste.
A tua mãe ama-te mais do que á própria vida e sempre amará, ama-a do mesmo modo e farás dela a mulher mais feliz do Mundo.
Jokas grandes.

marisa disse...

...magnifico...

impulsos disse...

Dias... fiquei sem palavras!
Uma carta cheia de sentimento. Um misto de amor e revolta...
Mas mãe há só uma!
Aquela que nos criou e por nós sofreu e de tanta coisa abdicou...

Beijo num impulso

sonhadora disse...

Chorei1 Comovente!
Esta manhã foi-me dado um verso que venho plantar no teu jardim.
Beijinhos embrulhados em abraços

Rosa Maria disse...

Um texto admirável...!!! Mesmo...!senti alguma empatia com a "Mãe" deste texto...mas não espero de forma alguma qualquer tipo de reconhecimento da parte do "filho"... e no entanto, para mim bastaria que ele sentisse como tu, que a mágoa não seria tão grande..
Para ti, fica um beijo e fica tb o desejo, de que a hipocrisia que dizes existir, desapareça, em prol do sentimento que AGORA gosta de sentir

Mestre disse...

Quando se ama o altruísmo vem ao de cima, os sacrifícios passam ao sabor do vento e tudo se esquece quando olhamos para quem mereceu a nossa atenção e o nosso esforço.

Bom texto, Dias, é de arrepiar.

Moonlover disse...

olá Dias
vim até aqui ver quem era o responsavel pela reclamação da viagem da Sony;)
e encontrei ,mais do que um contestário, um escritor criado por uma mulher de olhos azuis,
Parabens!

S.M.R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dias... disse...

SONIA
Adoro a borboleta que cura :)

CARLA
Já não dá para “amar” dessa forma a minha Mãe, mas ainda tenho tempo para lho dizer. Acho que ela sabe, se existe alguém que ME sabe é ela, mas sim, tenho de lho dizer…

MARISA
Obrigada.
É surpreendente porque é dos posts que emocionalmente menos me consumiu...

IMPULSOS
Ser Mãe é o “tal” milagre mas TER Mãe também é um previlegio.
Num impulso um beijo

Dias... disse...

SONHADORA
... nem sei o que dizer... obrigada?

ROSA MARIA
Filho é sinónimo de ingratidão.
Boa sorte e MUITA força.

MESTRE
Obrigado parceiro

MOONLOVER
Daqui a pouco os cachorros da Sony fazem 18 anos, saem de casa, e nós ainda não fomos a lado nenhum.
Obrigada

S.M.R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jô Beckman disse...

que bacana a história...o amor de mãe é mesmo incondicional!
beijos

Lia disse...

O amor de uma mãe é sempre incondicional e nunca espera nada em troca, talvez por isso abdiquem de tanto. Podemos ter os maiores defeitos ou sermos, como dizes, umas "bestas" mas nunca o seremos para elas.
E nós amamos sempre as nossas mães, por mais revoltados que estejamos ou sejamos. Custa é admiti-lo...

Um beijo

Enfim... disse...

fotos bem antigas lloooll

Bjokas

Miosotis disse...

Bom dia caro amigo,

Desejo que tenha um lindo dia.

A PONTE MAIS IMPORTANTE

Você saberia dizer qual é a ponte mais importante do mundo?
Talvez muitas imagens de mega-construções tenham passado pela sua mente neste instante, mas seguramente nenhuma delas é a mais importante, embora todas sejam úteis.
Agora imagine uma mãe com seu bebê no colo...
Imagine o neném sugando o leite materno enquanto a mãe o acaricia e o envolve em terno carinho...
Sem dúvida, uma imagem divina!
Agora imagine uma criança deitada sobre o peito de seu pai, enquanto o pai passa suavemente a mão sobre suas costas...
Outra cena comovente, com certeza...
Mas, afinal de contas, o que isto tem a ver com a ponte mais importante do mundo?
Tem, e muito.
Esses pequenos gestos são os alicerces que sustentarão a ponte mais eficiente e mais importante da vida: a ponte do diálogo.
Muitos pais desconhecem que é desde os primeiros dias de vida de seus bebês que a ponte do diálogo deve ser iniciada.
Os pais que sabem disso começam a conversar com o filho enquanto este ainda se move no ventre materno. E o neném responde, ao seu modo.
Mas quando esse importante meio de comunicação e união não é construído, as
conseqüências podem ser desastrosas, pois um precipício pode se abrir entre pais e filhos.
Desatentos para essa realidade, muitos genitores crêem que somente quando o filho for jovem é que deverão se preocupar com uma aproximação.
Ledo engano!
Não é raro que muitos pais se desesperem quando tentam dar um passo na direção do filho e só encontram um profundo vazio...
Não há ponte... Não há como se aproximar...
Perplexos, os pais gritam. Também em vão...
Os filhos não os ouvem.
Não há entendimento. Só há um grande e triste distanciamento...
"Onde foi que eu errei?", perguntam-se. Mas não ouvem resposta alguma.
Encontrarão a resposta fazendo uma retrospectiva de suas atitudes para com os filhos,desde o momento em que eles chegaram ao mundo.
As cenas são quase sempre iguais, mudando apenas o cenário e os personagens.
O filho pequeno, que ainda não sabe se comunicar com palavras, é extremamente sensível aos gestos dos pais, mas é tratado como se fosse apenas um boneco, sem razão nem sentimentos...
Não é digno de atenção, pois não sabe se expressar...
Outro equívoco, pois logo as crianças demonstram sua indignação agindo com rebeldia ou violência, ou se isolando do mundo.
Por todas essas razões, e outras mais, é importante pensar nessa ponte de afeição que liga as criaturas.
Ela precisa ser construída com cuidado, usando-se os melhores sentimentos de ternura, atenção e respeito, os únicos que são eficientes e duráveis.
Por mais que avance a tecnologia, que se tenha mil modos de comunicação, nada substitui o diálogo caloroso entre os familiares.
E não basta apenas estar junto, não basta oferecer o peito ao bebê e ficar com a mente e o coração distantes.
Não é suficiente sentar-se na mesma poltrona, ligar a TV e ver um bom filme.
É preciso estar junto, sentir o coração pulsando, os olhares fugidios, os medos escondidos.
Considere tudo isso e comece, ainda hoje, a construção dessa ponte de ternura que aproximará você de quem você ama.
Não permita que a erosão da indiferença abra valas intransponíveis entre você e os seus amores! Aproxime-se, de corpo e alma, enquanto ainda há tempo...

Quando a ponte do diálogo é construída sobre as bases da confiança e do respeito mútuo, não há nada capaz de derrubá-la, e as relações afetivas estarão sempre preservadas.

Touro Zentado disse...

Foi das coisas mais bonitas que li nos blogs que frequento até agora...
Parabéns!

Papoila Sonhadora disse...

Ola, Linda a tua mae!
Bj,
Papi Sonhadora,

Rosa Maria disse...

Fiz um novo post...que tb te dedico... e espero que me entendas...

sonhadora disse...

Nas asas do sonho voei e deixo-te beijinhos embrulhados em abraços.

S.M.R. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dias... disse...

SONIA
Já vou para a segunda página do livro de reclamações...

JO BECKMAN
Demasiado incondicional mesmo.
Beijos

LIA
Na mouche, mas não deixa de me perturbar...
Um beijo

ENFIM
Fotos tão antigas quanto eu :)
Bjokas

Dias... disse...

MIOSOTIS
“Documento” impressionante onde abordas praticamente toda uma temática de uma forma tão palpável que tem de ser fruto de dias vividos.

Eu, que ao longo do primeiro ano não fui um bom Pai, limitei-me a estar presente, faço parte daqueles que conseguiram criar uma sólida ponte afectiva mas se atrasaram um ano no começo da comunicação.
Ainda hoje digo que o primeiro ano da vida de um bebe não tem qualquer interesse para um Pai, mas digo-o sem o peso da experiência vivida, digo-o porque acredito que aquele ano perdido já foi recuperado.
Acredito que não existe nem nunca existirão precipícios entre mim e a minha filhota.

Quando te comecei a ler a resposta que me surgiu foi:
A Ponte mais Importante do Mundo é aquela que caminharei um segundo depois de morrer. Só nela saberei o valor da minha vida.

Mais uma vez, post riquíssimo, obrigada.

Dias... disse...

ZENTADO
Se te referes às minhas palavras tens de ler mais porque andam por ai artistas fenomenais.
Se te referes às palavras da Miosótis, TENS TODA A RAZÃO.
Obrigado.

PAPOILA SONHADORA
A minha Mãe foi lindíssima, sem duvida.
Beijo

ROSA MARIA
Obrigada, espero estar à altura como leitor.

SONHADORA
Abraços embrulhados em beijinhos

S.M.R.
Até já =)

Pratas disse...

Muito forte este texto... muito forte mesmo. Gostei muito Dias..

Cindy disse...

Cada um de nós tem a sua forma de amar e por vezes questionamos a forma dos outros amarem!

Penso que a tua mãe nunca te dirá o porquê de ter tido atitudes menos boas, mas os olhos dela reflectirão sempre o amor incondicional que sente por ti e agora, possivelmente carente, está a tentar recuperar com a tua filha aquilo que perdeu contigo!

Não a condenes! Ama-a, simplesmente!

Uma beijoka grande!

sonhadora disse...

Desejo-te uma boa noite e deixo-te beijinhos embrulhados em abraços.

Minha foto
Algés, Oeiras, Portugal
eu sou quem