terça-feira, agosto 4

Portas d´Oeiras


Existe em Algés uma rua com uma cúpula de Pardais.

No lado impar, ainda que adulterado pelo alumínio e pelas línguas, encontro desde que nasci Comercio Tradicional; os Alfaiates, a Chapelaria, a Maçonaria, os Cabeleireiros, a loja Chinesa...


O lado par é escoltado por uma miríade de habitações com mais de 50 anos, de quando existia riqueza no conceito de dormitório. Riqueza que neste momento raptam de Algés com a substituição de todas as portas e consequente descaracterização e empobrecimento de uma das ultimas ruas castiças não da Vila mas do Concelho de Oeiras.

Portas pesadas, velhas mas conservadas, que desde sempre agradam no estar e no passar. Portas que perfeitas não são mas são nossas e desde sempre nos têm feito melhores.

Às Portas, pela preocupação com que na substituição foram removidas e preservadas, ao invés de apenas arrancadas, prevejo vida longa como objecto de Arte numa qualquer propriedade privada fora do Concelho.
Ao meu Pirata de estimação, prevejo o mesmo... e vou ter tantas saudades de ambos.

3 comentários:

Teresa Durães disse...

é o que há demais...

BlueShell disse...

não te conhecia....mas gostei de pssaar por cá! Abraço de uma concha singular!
BlueShell

Marat disse...

É bem verdade! Algés já pouco ou nada se parece com a Algés em que nós crescemos. Mas ainda assim ainda é bom estar por lá: as pessoas ainda vão estando por lá! Abraço.

Minha foto
Algés, Oeiras, Portugal
eu sou quem