segunda-feira, maio 11

Black in Black

Pari o Dias nos anexos do desespero de ter perdido a vida. Continuei o Dias porque ninho se fez à companhia. Detive o Dias por defeito das horas solteiro. E agora torno, porque o Dias me falta. Falta-me dizer-me, falta-me dizer-vos, falta-me saber-vos, falta-me estarmos, falta-me esta catarse com sabor a vicio que somos nós!

Mais de um ano solteiro entregou-me a oportunidade de viver as estradas que espreitava “casado”, e nessas estradas tive o privilégio de resolver o Amor que tão recentemente me matou! O privilegio de destigmatizar a alma de morte!
Vivi com a mulher que me matou. Uma cúmplice de excepção com o corpo mais bonito que alguma tive. Desconfiou de mim todos os dias, embrulhou-me em overdoses de preocupação, estilhaçou várias fronteiras da minha privacidade e liberdade num grau de egoísmo que desconhecia poder suportar, mas fomos felizes... doentes mais felizes! Amei-a mais que a mim até ao fim mas eu também preciso de existir, e poder continuar a existir com um amor-da-minha-vida esclarecido é renascer!

Renasceu também
Luísa, a mulher que me fez homem enviou-me um e-mail a libertar-me de si... coolness!!

Liberdade foi outra das estradas que tive a oportunidade de percorrer nos dias solteiros, e dela aprendi que ainda sou um miúdo com pinta mas cresceram-me escrúpulos invés de sisos.
Apaixonei-me por uma Mulata a quem o escrúpulo me impediu de enganar e por quem a cobardia me impediu melhor tentar. Ficou-me a mulher poderosa e a pessoa inacreditavelmente bonita, e ficou-me este quarentão que me agrada ter sido.

Ficou-me, e porque nem só de escrúpulos se sangram os dias, ter também tido a oportunidade de cumprir a mítica estrada das “duas mulheres”. Já tinha experimentado mais mas nunca o mítico 2 de duas. Coisas de gajo...

E uma coisa que muito agrada a este gajo são as jam sessions! Há alguns meses era cool, agora tem sido bom!
Juntar três ou quatro velhos, temperar carinhosamente cada um com a sua “droga”, deixar divagar por uns instantes, e começar a ouvir a partir do terceiro improviso...

A minha “droga” é a Cerveja, precisamente o primeiro degrau do vício a que não posso tornar. Praticamente só bebo quando socializo, o problema é que socializo demasiado... Socializo com a gang porque estamos juntos, com a “banda” porque tocar sóbrio é tocar vulgares tempos, e com os amigos porque Cerveja é a melhor companhia para um Amigo.

Dos amigos... a gang cá está e enquanto houver neurónios cá estarão, já andamos nisto há muito mais tempo que o tempo que falta para terminarmos. São-me!

Dos novos amigos, ainda me custa a acredita-los. A internet acrescentou-me muito mais Mar que o que mereço da Lua. Banha-me com o mais doce dos Abrabeijos, coze-se-me fraterna do queixo aos pés, trincha-me as veias de azul loiro, imortalizam-me o agradecimento e as estradas! Acompanham-me, preservam-me, adoro-As.

Fora da internet, depois de fazermos amor perguntei à minha ex-mulher se já tinha vivido o que faltava, e, se não lhe parecia que nós fazemos mais sentido juntos?
Resultado: Estamos desde dia 1 a viver acima das nossas possibilidades económicas, mas bem mais próximos das nossas aspirações pessoais. De resto, está tudo na mesma mas sem o Vasco Granja, quiçá, o responsável máximo por eu ser um Artista!

Perdoem-me as “ferias”, espero-vos optimos e, siga mais um Verão

11 comentários:

Cindy disse...

Bem-Vindo e espero que mais feliz!!

Beijocas!

Teresa Durães disse...

penso que o amor é desgastante se não houver tempo para sermos.

quanto às amizades nos blogs... passo a opinião.

moonlover disse...

Conheci o Dias não me lembro como cheguei até aqui mas não passa um Dia sem que eu pense nos Dias que trocamos palavras tão importantes cada Dia a Dia, este Dias faz parte dos meus Dias!

;^)

Adoro saber-te assim de bem com a vida!

Adoro ler-te e tive saudades destes pedaços de ti,

um abrabeijo bem forte miudo!

cuida-te

moon

M disse...

Faz todo o sentido e portanto não há nada para perdoar. O Dias interior é mais importante, urgia resolver o amor que [re]trouxesse vida. A acrescentar os amigos da gang, os outros (menos presentes mas que te gostam),o sítio ideal, as horas de Jam, importa-me que o teu coração não habite em praça vazia e tudo te perdure para além do tempo sarando-te outras feridas da memória.

b e i jo.

as velas ardem ate ao fim disse...

Ha tanta suavidade em nada dizer e tudo se entender.Fernando Pessoa

Sinto o em ti no teu blogge vai daí premiei te no Velas!

um bjo

Lídia disse...

... gosto do teu regresso. Aprendes com a vida e parece-me que estás bem. Melhor que isto? Aproveita. Bj

Goddess Night disse...

Eu diria mais Black in White:-)

Mas, começam a despontar cores de tudo quanto é lado, quando leio esta tua alma de poeta (de grandes amores), esse teu coração de amigo!

Sento-me.
Retomo um prazer, que cheguei a pensar, já ter perdido.

Ainda bem, que assim regressas, sempre no teu melhor:D

Beijos desta "Bolha"

Pratas disse...

Já tinha saudades do Dias. Prezo em saber que continua vivo e de boa saúde.

Aplaudo também a vida que tens. E a que tiveste também, essa das duas mulheres... ;)

1 abraço

escarlate.due disse...

:) acho que até hoje foi um dos teus textos que mais gostei... não perguntes porquê, nem eu me preocupo em saber

poca disse...

vim cá ter através da velas... e.. percebo porque é que ela diz que gosta de cá vir.
tens uma escrita forte, bem articulada, mas acima de tudo verdadeira. que toca!
obrigada por este bocadinho

Anônimo disse...

Tudo de bom!
Bonito texto...
Pondo-me no meu lugar.

Até nunca mais como desejamos, que tudo te sejam flores e que as dores nunca mais te abram portas.

Sofia

Minha foto
Algés, Oeiras, Portugal
eu sou quem